Que cuidados devo ter na leitura dos rótulos de produtos alimentares?

Sabe por que motivo é tão importante que leia correctamente os rótulos de produtos alimentares? É que nem todos os alimentos são o que parecem.

A informação prestada ao consumidor sobre os géneros alimentícios tem tido uma importância cada vez maior. Contudo, se para alguns a rotulagem alimentar já não tem segredos, para outros ainda é um mistério. Por isso, há uma questão que se impõe: o que nos dizem os rótulos alimentares?

Todos os dias somos sujeitos a inúmeras escolhas alimentares e fazer as mais saudáveis nem sempre é fácil. Assim, deverá ser transmitida toda a informação que permita não só fazer escolhas alimentares adequadas, mas também que os alimentos sejam armazenados, preparados e consumidos de forma correta.

Segundo o Regulamento (EU) Nº1169/2011 de 25 de Outubro do Parlamento Europeu, legislação em vigor, a rotulagem corresponde “a todas as indicações, menções, marcas de fabrico ou comerciais, imagens ou símbolos referentes a um género alimentício que figurem em qualquer embalagem, documento, aviso, rótulo, anel ou gargantilha que acompanhem ou se refiram a esse género alimentício”.

Já um rótulo é “uma etiqueta, uma marca comercial ou de fabrico, uma imagem ou outra indicação gráfica descritiva, escritas, impressas, gravadas com stêncil, marcadas, gravadas em relevo ou em depressão ou afixadas na embalagem ou no recipiente dos géneros alimentícios”.

A informação que consta nos rótulos não deve induzir em erro, mas sim ser clara, exata e de fácil compreensão.

No rótulo nutricional os ingredientes vêm por ordem decrescente de grandeza, ou seja, se os dois primeiros forem por exemplo açúcares e sal, então o produto não é benéfico para a saúde.

O rótulo indica o teor de cada nutriente presente em 100 gr ou por 100 ml de alimento.

Leia Correctamente os Rótulos de Produtos Alimentares:

À semelhança do que acontece com o açúcar, os nomes que podem surgir na lista de ingredientes em vez de “gordura” são: ácidos gordos, ácidos graxos, gordura vegetal, gordura vegetal hidrogenada ou parcialmente hidrogenada, manteiga, manteiga de cacau, margarina, óleo de coco, óleo de palma, ómega 3, etc.

  •  Opte por alimentos com a menor lista de ingredientes possível, mesmo que sejam mais perecíveis, tendo de ser consumidos num menor espaço de tempo;
  • Saiba que os ingredientes estão organizados no rótulo dos que existem em maior quantidade para o que estão presentes em menor quantidade no alimento. Evite aqueles em que os açúcares e as gorduras saturadas ou trans se encontram no início da lista;
  •  Quanto menos “E” na lista, melhor! Estes “E” representam os aditivos, e surgem seguidos de 3 algarismos;
  •  Se tem alguma alergia, tenha em conta a presença de alergéneos na lista de ingredientes, como glúten, ovos, amendoim, leite, etc.;
  •  Faça sempre a comparação de um determinado produto com o produto standard mais parecido. Na generalidade dos produtos, compare, não só, as calorias, como os hidratos de carbono, lípidos (gorduras), proteína, fibra, sal, e o nutriente que o faz pensar em optar pelo produto em questão.

É importante a comparação de todas estas variáveis, uma vez que, por vezes, quando há adição de um nutriente, há descompensação de outro, seja pela adição, seja pela diminuição da quantidade do mesmo.

Por exemplo, as bolachas sem açúcar, tal como as bolachas ricas em fibra, costumam ter teores mais elevados de gordura do que as versões originais, de forma a compensar o sabor, o que faz delas más opções em relação às versões originais;

  •  Ao comparar alimentos, tenha em conta a informação nutricional por porção, em vez do valor por 100g, uma vez que o valor por porção é o que representa o que vai ingerir;
  •  Nos alimentos que possuem o “sistema semáforo”, que consiste na existência do rótulo na parte da frente da embalagem com cores que variam entre verde, amarelo e vermelho, opte pelos alimentos com o maior número de nutrientes de cor verde possível. O significado das cores no rótulo do “sistema semáforo” significam o seguinte: verde – baixo teor do nutriente em questão; amarelo – teor médio; vermelho – teor elevado.

  •  Atenção às alegações nutricionais, que indicam “rico em”, “sem gordura”, “sem açúcar”, etc, uma vez que que estas alegações podem esconder falta ou adição de alguns nutrientes em específico. Faça sempre a comparação entre produtos em termos dos nutrientes acima referidos;
  •  Saiba que, por vezes, em vez de “açúcar”, surgem outros nomes na lista de ingredientes, tais como: açúcar invertido, açúcar mascavado, dextrose, frutose, glicose, glucose, maltose, mel, sacarose, xarope de açúcar amarelo, xarope de glicose, xarope de milho, etc;
  •  À semelhança do que acontece com o açúcar, os nomes que podem surgir na lista de ingredientes em vez de “gordura” são: ácidos gordos, ácidos graxos, gordura vegetal, gordura vegetal hidrogenada ou parcialmente hidrogenada, manteiga, manteiga de cacau, margarina, óleo de coco, óleo de palma, ómega 3, etc.

A utilização de rotulagem nutricional simples e clara na parte da frente das embalagens dos produtos alimentares, com a utilização de cores (como por exemplo, os semáforos nutricionais com as cores vermelho, amarelo e verde) tem sido apresentada como uma importante medida a implementar no âmbito das estratégias para promover uma alimentação saudável, tanto por parte da OMS como por parte da DGS.

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL

Dá a conhecer as características de composição dos alimentos. Na sua forma simples esta informação consiste em:

Valor energético Corresponde ao valor calórico do produto alimentar e consiste na soma das calorias (energia) fornecidas pelos glícidos, lípidos, proteínas, álcool, fibra, ácidos orgânicos, salatrim e polióis. O valor energético pode ser indicado em quilocalorias ou quilojoules.
♦  Conteúdo em proteínas As proteínas encontram-se em alimentos de origem animal e vegetal (laticínios, ovos, leguminosas secas, carnes, aves, pescado, …) e são responsáveis pelo crescimento, manutenção e regeneração das células, tecidos e órgãos.
♦  Conteúdo em glícidos (hidratos de carbono) Os hidratos de carbono dão-nos energia. Os cereais e derivados, as leguminosas secas, tubérculos, fruta e açúcar de mesa são exemplo de hidratos de carbono.
♦  Conteúdo em lípidos (gorduras) Os lípidos fornecem energia, protegem-nos do frio e fazem parte da constituição de algumas estruturas celulares. São exemplo de lípidos o azeite, manteiga, banha, natas, gorduras da carne, aves e pescado, margarinas, óleos, entre outros. O azeite deve ser a gordura de eleição para cozinhar e temperar os alimentos.

 

 

ALGUNS CONSELHOS

  • Pense antes de comprar: consumidores ocupados, desatentos e impulsivos podem comprar produtos que não correspondem ao que estão à espera. A leitura atenta de rótulos em letra minúscula é incompatível com consumidores apressados.
  • Nas bebidas, em especial nos sumos de fruta, garanta que o termo “100%” se refere ao tipo de sumo e não à percentagem da fruta que vem destacada na frente da embalagem.
  • Olhe atentamente para a embalagem: as marcas usam imagens e palavras para influenciarem os consumidores a comprar. Verifique se a informação sobre os ingredientes corresponde ao que vem na frente da embalagem.
  • O “sabor a” não está definido na lei e, na maioria dos casos, o produto contém apenas aromas, e não o ingrediente em que estava a pensar.

 

 

Alguns exemplos práticos

Observemos o rótulo de uma embalagem de bolachas digestivas. Neste caso temos os valores para 100gr de produto e para uma porção de 2 bolachas.

Ao ingerir apenas 2 bolachas, estará a ingerir 2,9gr de gorduras saturadas, 5,2gr de açúcar e 0,46gr de sal. Todos estes valores são elevados e – ao serem acumulados com todos os restantes produtos consumidos ao longo do dia – certamente que irão contribuir para um consumo excessivo de gordura, açúcar e sal.

Como alternativa para um snack poderá consumir uma peça de fruta, que irá contribuir para a sensação de saciedade, além de ser um produto com fibras e açúcares naturais.

 

Rótulos

 

O rótulo de um conhecido achocolatado presente no pequeno-almoço de muitos portugueses.

Por cada dose de 14gr + leite meio gordo, este produto terá 2,2gr de gordura saturada e 20,5gr de açúcar (3 pacotes de açúcar!). Se compararmos com o valor por cada 100gr de produto podemos concluir que a gordura saturada vem principalmente do leite, mas existem 75,7gr de açúcar, ou seja, 75,7% deste produto é açúcar!

Esta não será certamente a maneira mais saudável de começar o seu dia. Em alternativa, procure utilizar misturas de cereais solúveis.

Rótulos de Produtos Alimentares e as Marcas

De realçar que para manter o sabor como o original, as marcas compensam nos outros nutrientes, ou seja, podem baixar o nível de açúcar mas aumentar a gordura, ou vice-versa. Devemos sempre comparar os produtos para vermos a verdadeira diferença.

Com estes conhecimentos em mente conseguimos perceber a importância de bons rótulos alimentares e avaliar o rótulo de outra forma. Ao olharmos não só para o visual do rótulo mas também para o seu conteúdo, acabamos por tomar uma decisão mais informada e potencialmente mais saudável.

Que cuidados devo ter na leitura dos rótulos de produtos alimentares?
4.7 (94.86%) 74 votos

2 Comentários

  1. Colocado por Silvia

    cada vez mais me preocupo com este assunto

  2. Colocado por Pedro

    Parabéns pelo artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*