Quais são os benefícios da amamentação para as mães e bebé ?

A escolha pela amamentação é uma opção que cabe única e exclusivamente à mãe. Os benefícios podem ser determinantes para o crescimento da criança, mas também trazem benefícios para a mãe e para a família, uma vez que é a forma mais económica e segura de alimentar o seu bebé.

A amamentação, que é o ato de alimentar o bebé com o leite materno, vindo directamente do peito, deve ser exclusiva durante os primeiros 6 meses de vida do bebé.

O leite humano é um alimento completo que fornece tudo aquilo que o seu bebé precisa. Além de conter todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água, inclui ainda outros elementos que os leites de substituição não conseguem incorporar.

O leite materno contém anticorpos que ajudam o bebé a combater vírus e bactérias.

Atualmente, as organizações internacionais, os governos, as associações científicas e técnicas, entre as quais a Organização Mundial de Saúde, a Academia Americana de Pediatria e a Associação Americana dos Médicos de Família, recomendam o aleitamento materno exclusivo, durante os primeiros seis meses de vida, assim como a sua continuação até aos dois ou mais anos.

É então desejável que o aleitamento materno prossiga ao longo de todo o programa de diversificação alimentar e enquanto for mutuamente desejado pela mãe e latente. No entanto, alguns latentes poderão necessitar de complementar o aleitamento materno antes dos 6 meses (mas nunca antes dos 4 meses), de forma a assegurar um crescimento e desenvolvimento normais.

Do ponto de vista nutricional, é importante lembrar que, a partir dos 6 meses, o volume de leite ingerido é insuficiente para suprimir as necessidades energéticas, proteicas e em micronutrientes do bebé.

Para além dos aspectos nutricionais associados à amamentação, a maturação fisiológica e neurológica do latente requerem um plano seguro na diversificação alimentar até ao regime familiar (Sociedade Portuguesa de Pediatria, 2012).

O leite materno, pela sua composição, é facilmente digerido, metabolizado e absorvido, sendo adequado à imaturidade da função gastrointestinal e renal do recém-nascido.

Apenas por volta dos 4 meses o bebé se encontra preparado para a diversificação alimentar, quer do ponto de vista da evolução maturativa, quer pela aquisição de maior estabilidade cervical e maxilar.

Entre o 5.º e o 8.º meses, o padrão primitivo da sucção modifica-se e estabelece-se a passagem da sucção para a mastigação (Sociedade Portuguesa de Pediatria, 2012).

Benefícios da amamentação

BENEFÍCIOS DA AMAMENTAÇÃO

  • O leite materno apresenta um mix de nutrientes perfeitos, com quantidades de proteína suficiente, gordura, vitaminas e minerais, oferecendo assim ao seu bebé tudo aquilo que ele precisa para a sua saúde e felicidade.
  • Contém também anticorpos, um tipo de proteína que combate infeções no seu corpo. Os anticorpos da mãe são transferidos para o bebé através da amamentação, por isso o bebé fica protegido contra bactérias e viroses.

Por isso, enquanto o seu bebé está a amamentar, fica protegido contra muitas doenças, incluindo diarreia, infecção dos ouvidos, doenças respiratórias, meningites, etc.

  • Ao reforçar o sistema imunitário, amamentar pode reduzir o risco de asma e alergias.
  • O seu bebé tem menos probabilidade de desenvolver febre após receber as vacinas.
  • Os bebés que são amamentados tendem a ser menos hospitalizados do que os bebés que são alimentados com fórmula. O seu bebé provavelmente não irá visitar o consultório médico tão frequentemente.
  • Amamentar faz com que o seu bebé seja menos susceptível a desenvolver diabetes, colesterol elevado e doença inflamatória intestinal ao longo da sua vida.
  • O leite materno é mais fácil de digerir do que a fórmula.
  • Amamentar reduz o risco de o seu bebé se tornar obeso durante a juventude ou sofre de obesidade em adulto.
  • Os bebés amamentados são menos afectados com o síndrome de morte súbita infantil. No entanto, se considera que os benefícios de amamentar são apenas para o seu bebé, está enganada.
  • Amamentar pode reduzir os seus níveis de stress, faz com que ande mais relaxada e regula a sua pressão sanguínea, devido aos níveis elevados da hormona oxitocina.
  • As mães que amamentam tem menos probabilidade de sofrer de depressão pós-parto.
  • A amamentação prolongada ajuda a protege-la de cancro da mama e ovários.
  • Pode também protege-la de osteoporose, pelo aumento da absorção de cálcio e por isso proporciona-lhe ossos fortes.
  • Amamentar estimula a secreção da hormona oxitocina. Esta hormona para além de a fazer sentir bem, faz também com que o seu útero contraia e encolha para o seu tamanho pré-gravidez mais rapidamente.
  • Amamentar queima cerca de 500 calorias por dia, ajudando-a a perder o peso pós-parto mais rapidamente.
  • Poupa tempo e dinheiro – não necessita de comprar fórmula, perder tempo a prepará-la, a esterilizar biberões, etc.
  • O seu bebé está irritado por ter fome? Não há problema pois tem tudo o que precisa sempre consigo.
  • A amamentação é ecológica – Não há latas de fórmula para deitar fora, nem biberões para lavar.
  • A hora de amamentar é a oportunidade perfeita para dar mimos e ter tempo de ligação com ele sem interrupções.

CUIDADOS QUE A MÃE DEVE TER NA AMAMENTAÇÃO

CUIDADOS QUE A MÃE DEVE TER NA AMAMENTAÇÃO

Não salte refeições

– Evite estar mais de 3 horas sem comer (aproximadamente 6 refeições diárias), pois faz com que se dê uma diminuição na produção das hormonas da saciedade. Se sente mais fome, acaba por consumir alimentos mais calóricos.

– O momento da refeição deverá ser um momento calmo;

– Mastigue de forma adequada: confere maior saciedade e uma digestão mais facilitada.

– Se o jejum for prolongado, o organismo utiliza as reservas de energia, perdendo peso à custa de massa muscular e não de massa gorda.

SIGA REGRAS DURANTE AS REFEIÇÕES

– As refeições principais deverão ser constituídas por sopa e prato.

– A sopa deve ser consumida no início da refeição uma vez que é rica em fibra e contribui para o aumento da saciedade.

– Sirva-se de legumes, que deverão ocupar mais de metade do prato. Depois, a carne e o peixe e, só no final, os hidratos de carbono (arroz, massa ou batata), que devem ocupar menos de um quarto do prato.

– Prefira as confeções simples: cozidos, assados ou estufados sem gordura e evite a adição de molhos.

– Ao lanche poderá incluir uma porção de fruta ou uma porção de laticínios e uma a duas porções de cereais.

O melhor, caso se sinta particularmente desconfortável, será mesmo consultar um especialista para poder usufruir da melhor forma desta experiência que é amamentar. Tenha como certo que esta prática vai promover junto do bebé vantagens a todos os níveis, nomeadamente na redução da hipótese de mortalidade infantil, e também contribuir para a saúde materna já que ajuda a reduzir o risco de hemorragia pós-parto.

Partilhar este artigo
  • 3
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *